Entidades se unem e criam a Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso

2

Iniciativa atende ao chamado da OMS que escolheu o “Cuidado materno e neonatal seguro” como tema do Dia Mundial da Segurança do Paciente

No mundo, todos os dias 830 mulheres morrem de causas evitáveis relacionadas à gravidez e ao parto. E, anualmente, 2,5 milhões de bebês morrem logo após nascer. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, essa tragédia foi agravada pela pandemia, com o registro de 38 óbitos maternos por Covid-19 a cada semana em 2021, segundo o Observatório Obstétrico Brasileiro. Esta situação dramática pode e deve ser evitada. A maioria das mortes durante a gravidez decorre de causas que poderiam ser tratadas. Por isso, mais de 30 entidades se uniram e criaram a Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso. O lançamento ocorre nesta terça-feira, 17/08, das 19 h às 20h30, por meio virtual.

A Aliança Nacional foi criada atendendo ao chamado da OMS, que escolheu o “Cuidado materno e neonatal seguro” como tema do Dia Mundial da Segurança do Paciente 2021, comemorado em 17 de setembro. Na solenidade de lançamento, serão apresentados a logomarca e a identidade visual da Aliança Nacional, seu hotsite (aliancapartoseguro.org.br) e o vídeo oficial de sua primeira campanha, intitulada “Aja Agora para um parto seguro e respeitoso”, que continua até setembro.  Também serão anunciados os membros do Conselho Científico desse novo coletivo pelo direito das mulheres e das recém-nascidos ao cuidado seguro e de qualidade durante a gestação, parto e puerpério.

Uma das coordenadoras desse movimento é a Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (SOBRASP). O presidente da entidade, médico Victor Grabois, destaca que a complexidade dos problemas no Brasil exige não apenas que as organizações de saúde tomem iniciativas específicas para reverter as estatísticas de mortalidade materna e neonatal. “Demanda uma resposta coletiva, abrangente, multiprofissional. Esse é o nosso objetivo, unir forças para potencializar resultados”, explica. 

Em sua missão, a Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso seguirá dez 10 diretrizes principais, definidas pelas entidades que a integram: Equidade, Respeito, Redes de Atenção, Parto Adequado, Prevenção à Mortalidade Materna, Prevenção da Prematuridade, Letramento, Empoderamento e Engajamento e Participação da Família.  Não por acaso, a primeira diretriz é a Equidade. Conforme o Ministério da Saúde divulgou em 2020, de todos os óbitos maternos ocorridos em 2018, 65% foram de mulheres com a cor da pele negra/parda.

“Todas as mulheres precisam ter acesso a cuidado pré-natal durante a gestação, assistência adequada durante o parto e no puerpério. A saúde materna e do recém-nascido estão intimamente ligadas”, alerta a enfermeira Betânia Santos, presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). “É particularmente importante que todos os partos sejam assistidos por profissionais de saúde qualificados, uma vez que o tratamento oportuno pode fazer a diferença entre a vida e a morte da mãe e do bebê”, acrescenta. 

Conforme a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), as principais complicações, que representam quase 75% de todas as mortes maternas, são a hipertensão (pré-eclâmpsia e eclampsia); as hemorragias graves (principalmente após o parto); as infecções (normalmente depois do parto); as obstruções no parto e os abortos inseguros.

A pré-eclâmpsia deve ser detectada e adequadamente tratada antes do início das convulsões (eclâmpsia) e outras complicações potencialmente fatais. “Administrar drogas como sulfato de magnésio a pacientes com pré-eclâmpsia pode diminuir o risco de eclampsia”, comenta Rômulo Negrini, coordenador médico de obstetrícia do Hospital Israelita Albert Einstein. O médico, que é professor doutor de Obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, alerta que a hemorragia grave após o nascimento pode matar uma mulher saudável em poucas horas caso ela não seja atendida prontamente. “O uso de oxitocina logo após o parto é uma medida simples e eficaz que previne até 60 % dos casos de hemorragia puerperal.” 

Já a infecção após o parto pode ser eliminada com a prática de uma boa higiene e a detecção e tratamento precoces. Para evitar mortes maternas, também é vital prevenir gestações indesejadas e precoces. Todas as mulheres, incluindo adolescentes, precisam ter acesso a informações, a métodos contraceptivos e aos serviços que realizem abortos seguros, na medida em que a legislação permita, e uma atenção de qualidade após o aborto. 

Outros fatores que impedem as mulheres de receberem ou procurarem cuidados durante a gestação e o parto são a pobreza, a falta de informação e os serviços de saúde inadequados. Para melhorar a saúde materna, as barreiras que limitam o acesso a serviços de qualidade devem ser identificadas e enfrentadas em todos os níveis do sistema de saúde. Trabalhar por essas mudanças é o propósito da Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso.

2 COMMENTS

  1. Interessante perceber que ao mesmo tempo que este ensaio traz no 4º parágrafo que “Conforme o Ministério da Saúde divulgou em 2020, de todos os óbitos maternos ocorridos em 2018, 65% foram de mulheres com a cor da pele negra/parda.”, a esmagadora maioria das mulheres que estão representadas no sítio eletrônico da Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso são brancas. Das mais de 16 imagens de mulheres, há 03 mulheres negras, ainda assim apenas dois rostos. Pergunto ainda onde estariam as demais mulheres não-brancas: as amarelas, as indígenas, dentre outras.

    • Olá! Buscamos sim essa representatividade, e o logo da Aliança Nacional foi pensado dentro desta perspectiva. Essa é nossa razão de existir. Na medida em que gerarmos conteúdos próprios, com imagens reais e não de banco, certamente teremos o resultado que todos esperamos. Que o site retrate a nossa miscigenação.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here